sábado, 9 de janeiro de 2016

Resenha #26: Os Doze Guardiões da Luz


Sinopse: Ambientado num mundo de fantasia, Os Doze Guardiões da Luz narra as histórias de heróis imortais que encarnam os doze signos do Zodíaco. Séculos após a grande guerra, que expulsou a Escuridão dos reinos do oeste, o povo e os heróis parecem ter se esquecido da ameaça que reside lá fora, além da fronteira das terras da Luz com os países da neblina. Alheios ao alcance dos tentáculos do inimigo, os Guardiões são pegos de surpresa quando a ameaça vem não de fora, mas de dentro do reino, justamente daqueles em quem mais confiavam: eles próprios.

Hey, submerso!

       Você é daquele tipo de pessoa que não pode passar um dia sem consultar o Horóscopo? E se eu te contasse que existe um livro que narra as aventuras dos doze guerreiros do Zodíaco, cada um encarnando um signo, e que habitam em um planeta magico chamado Gaia, marcado pela diversidade de espécies e pensamentos? Bem, este é o contexto de Os Doze Guardiões da Luz, primeiro livro da série de fantasia do autor Luiz Henrique Batista.

Narrado em terceira pessoa, a estória se inicia com um evento muito esperado: O Festival da Primavera. Tudo está aparentemente bem, as pessoas se divertem, inclusive alguns Guardiões, até que um caos faz-se presente, atormentando a todos. Um troll invade o castelo e, para piorar ainda mais a situação, uma das metades de Gêmeos é vitima de sequestro. Sim, sim, Gêmeos possui dois corpos, porem apenas uma alma. 
Tal separação das metades do Guardião pode acarretar consequências graves, ameaçando o equilíbrio de tudo, pois há muito tempo atrás os doze Guardiões uniram os poderes para criar uma muralha de luz divina, separando o Triangulo do Sul dos gigantes e outras criaturas da Escuridão. Tal proteção está ameaçada, pois se as partes de Gêmeos não forem reunidas, ele morrerá, dando fim ao equilíbrio. 
       Com tal fato, Áries e Peixes, os mais bem explorados de todos os personagens, vão a procura da metade desaparecida de Gêmeos. Em seu caminho, o casal enfrenta diversos obstáculos e, claro, encontram-se com outros Guardiões, cada um com sua personalidade peculiar, fazendo com que os viciados em Horóscopo se identifiquem. 
       Como se não bastasse, o leitor acaba descobrindo que certos Guardiões voltaram-se contra a Luz, sendo tomados e corrompidos pela Escuridão. Com isso, a trama se complica e tudo fica mais pesado, atormentando a vida dos que se mantem na Luz.
      O livro tem uma grande pegada medieval, o que para mim é apaixonante. Um ponto mais que positivo é a forma como o autor trabalha cada um dos Guardiões, que apesar de seus notáveis poderes, demonstram ser como nós, com seus medos, limitações, dúvidas e fraquezas. Assim, faz com que eles sejam reais para quem lê. 
       De todos os Guardiões, a que mais amo com certeza é Aquário, um grande exemplo do empoderamento feminino, algo que prezo bastante. "Forte, livre, dona de si.", como diz no livro. Ao longo das páginas, a personagem sofre bastante com o sexismo, por se recusar a fazer ''coisas de mulher''. E ela sempre está para mostrar seu valor e desconstruir com palavras e golpes qualquer ato machista. Minha nova crush literária! Haha 


- Você parece maluca! - exclamou o Rei, erguendo os braços. - Sai por aí vestida de homem, armada para a guerra, arriscando o próprio pescoço em sabe-se lá quantos torneios e duelos, e sem propósito nenhum! Além do mais, onde se viu uma mulher com botas e esporas?
- Você por acaso espera que eu fique apenas sentada à toa, cosendo e bordando, eternamente uma espectadora de tudo o que ocorre no mundo? Nunca! - Leão e Aquário já não estavam discutindo: estavam berrando na cara um do outro. - Mulheres não existem apenas para que vocês, homens, trancafiem-nas em casa, seu leão machista!
E, claro, tem que ter romance para aliviar uma vez ou outra a tensão! Além de  Áries e Peixes, há mais dois casais apaixonantes, que shippo muito! Cada um deles diferentes entre si. Digo, os apaixonados divergem quanto ao tratamento um pelo outro. Um casal recatado (não por vontade própria) vivendo um amor impossível; um marcado por um amor imenso; e outro tempestuoso, capaz de derrubar um castelo de tantas brigas!


Não acredito em almas gêmeas. Acredito em pessoas que se sentem atraídas umas pelas outras e que, com o tempo, encontram semelhanças, superam diferenças e transformam essa atração em amor verdadeiro. (Peixes)

Vamos partir para os espinhos dessa rosa... Ao meu ver, o antagonista da trama não demonstra motivos muito concretos, de modo que explique suas maldades. O leitor não consegue entender com clareza o que o impulsiona a fazer o que faz, quais são seus motivos e ideais. A ausência disso é um tanto incômoda. Quem lê também pode perceber o excesso de informações nas descrições. Claro, é de extrema importância que o autor detalhe os personagens, locais e situações. Porém, por vezes encontra-se informações desnecessárias, podendo até ser confusas.
Apesar disso, a escrita do autor é leve, criativa e instigante, motivando-nos a buscar respostas com voracidade, nos fazendo envolver mais e mais com os personagens, que por sua vez são bem construídos e com carga emotiva, e todos os acontecimentos da trama. É um livro para mergulhar de cabeça e viajar bastante entre as páginas. Com isso, finalizo esta resenha, recomendando Os Doze Guardiões da Luz para quem curte uma estória com uma vibe medieval e magica, que reinventa os famosos signos.

Doze estrelas caíram em diferentes partes do mundo e dissiparam a Escuridão. Corrompidos em corpo e espirito, os gigantes recuaram em massa rumo ao leste, para além da neblina. Os que permaneceram, descobriram que as estrelas vindas do céu tornaram-se homens e mulheres que lutariam por liberdade e justiça. Eram os Doze Guardiões da Luz, guerreiros imortais que trouxeram esperança aos povos oprimidos, dando fim a Era dos Gigantes e inicio a Era dos Reis. 
GOSTOU DA RESENHA?
Então não esqueça de compartilhar com os amigos e deixar sua opinião nos comentários!
Postagens relacionadas: Correio Submerso de Maio de 2015








Postagem mais recente Postagem mais antiga Página inicial

3 comentários:

  1. Não conhecia o livro, mas parece ser fantástico! Parabéns pelo blog, está nos meus favoritos para poder acompanhar de perto.
    Te indiquei para a #TAG Esse ou esse? Espero que goste! bjs

    http://www.leiturasecomidinhas.com.br/tag-esse-ou-esse/

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Eu vi a TAG! Obrigado pela indicação! Responderei quando puder.

      Excluir
  2. Eu já conhecia o livro e estou curioso para lê-lo. Essa resenha só me deixou ainda mais interessado.

    Autor de A Página Certa
    www.laplacecavalcanti.com

    ResponderExcluir